O mercado fecha em:

Entenda as mudanças no scout Assistência do Cartola FC

Salve, Cartoleiros (as)! Após muita espera em um 2020 cheio de adversidades, o Brasileirão tem data marcada para o seu retorno e consequentemente o Cartola FC também. Desde o início do fantasy, passamos por mudanças em diversos aspectos, dentre eles, os Scouts. Esse ano não será diferente; alguns fundamentos que contam pontos no fantasy game […]

Postado em: 8 de julho de 2020
Atualização: 5 de agosto de 2020
Tempo de leitura: 3 minutos

Salve, Cartoleiros (as)!

Após muita espera em um 2020 cheio de adversidades, o Brasileirão tem data marcada para o seu retorno e consequentemente o Cartola FC também. Desde o início do fantasy, passamos por mudanças em diversos aspectos, dentre eles, os Scouts. Esse ano não será diferente; alguns fundamentos que contam pontos no fantasy game sofrerão alterações nos critérios de avaliação na tentativa de se alinhar ao padrão internacional das principais empresas de estatísticas de futebol.

Após muitas reclamações, a tendência quanto a terceirização dos scouts do game em 2020 era algo previsto, e o site Footstats será o grande responsável por fazer a interpretação e contagem dos dados durante as partidas. Uma dessas mudanças refere-se aos novos critérios de assistência.

Se você quer saber quais foram essas mudanças, continue acompanhando o Cartola FC Mix e saia na frente dos seus adversários, pois um dos critérios para se tornar um bom cartoleiro, é ser antenado em todas as notícias do mundo do futebol brasileiro!

NOVOS CRITÉRIOS DE ASSISTÊNCIA DO CARTOLA FC

Em primeiro lugar, para os cartoleiros que estão chegando agora, nada mais justo que explicar: O QUE É UMA ASSISTÊNCIA? 

A assistência é o passe que antecede a finalização que resulta em gol, e é nada mais, nada menos que o segundo scout de ataque com o maior valor no Cartola FC, 5.0 pontos, ficando atrás apenas do gol, que vale 8.0 pontos.

  • É assistencia todo lance que o jogador deu o passe e não teve nenhum desvio;
  • Também é assistência a finalização que acabou resultando em um passe e a ação terminou com o gol.

Vale a pena esclarecer também: O QUE NÃO É UMA ASSISTÊNCIA?

  • Não é assistência o lance em que houve um desvio que alterou completamente a trajetória da bola. Caso o desvio (que alterou completamente a trajetória da bola) tenha sido de um companheiro de equipe, não será computada assistência para nenhum jogador!

LANCES QUE PODEM GERAR DÚVIDAS NOS CARTOLEIROS

1) É ASSISTÊNCIA: se o desvio involuntário ou domínio errado for leve, isto é, alterando pouco a trajetória da bola e a dinâmica da jogada, a assistência será considerada para o autor do passe anterior e não mais para o jogador em quem a bola bateu de forma involuntária ou desviou levemente.

Confira a partir do minuto 4:29 no vídeo abaixo:

 

 

No exemplo acima, a partir deste ano, a assistência seria dado para Gabigol, autor do passe original, e não para Bruno Henrique, que desviou levemente a bola. É importante ficar atento à palavra “LEVEMENTE”. Pois será a intensidade do toque que determinará o autor da assistência!

2) NÃO É ASSISTÊNCIA: se o desvio ocorrer através de um companheiro da equipe, for involuntário e alterar completamente a trajetória, sendo considerado um lance sem assistência, ou seja, nem o autor do passe e nem o jogador que desviou irão ganhar os 5 pontos de assistência.

 

 

No GloboEsporte você encontra mais exemplos em vídeo, para entender na prática o que é, e o que não é assistência.

Por mais que as mudanças sejam um pouco confusas, acredito que a maioria delas deixará o jogo mais justo em relação a quem vai receber a bonificação da assistência. Por exemplo: se um jogador realiza toda a jogada, dá o passe e o mesmo é desviado no meio do caminho (desvio leve), até o ano passado, a bonificação da assistência ficaria para quem desviou e não para quem realizou efetivamente toda a jogada. Pode parecer um pouco confuso, mas acredito que aos poucos os cartoleiros se adaptarão aos novos critérios.

Até a próxima!

24 anos, coração goiano morando em Niterói-RJ. Comando o Schincariol EC e garanto: "eu não tenho culpa de ter cerveja até no sobrenome".