O mercado fecha em:

A Copa continuará sendo de Suárez. A perspectiva que mudou.

Às vezes não dá para entender o que se passa pela cabeça de um jogador. Como existe jogador burro neste mundo. Faltando um mês para a Copa começar, Suárez estava de cadeira de rodas. Muitos descartavam a sua presença no mundial. Mas, graças a muito esforço e dedicação, o atacante Uruguaio conseguiu se recuperar a […]

Postado em: 27 de junho de 2014
Atualização: 8 de junho de 2016
Autor:
Tempo de leitura: 2 minutos

Às vezes não dá para entender o que se passa pela cabeça de um jogador. Como existe jogador burro neste mundo.

Faltando um mês para a Copa começar, Suárez estava de cadeira de rodas. Muitos descartavam a sua presença no mundial. Mas, graças a muito esforço e dedicação, o atacante Uruguaio conseguiu se recuperar a tempo. Não jogou a primeira partida, contra a Costa Rica. Sofreu no banco, vendo os seus companheiros sendo derrotados. Mas contra a Inglaterra, não só começou jogando como foi o grande destaque da partida, marcando 2 gols e deixando o Uruguai dependendo apenas de si para se classificar. Após o jogo, os fãs do futebol estavam felizes por Suárez, por ver a vontade dele em querer defender o seu país e saber que toda a luta para poder jogar valeu a pena. Lembro-me de ter dito: “Essa Copa é de Suárez”.

A classificação veio no jogo seguinte, contra a Itália. Precisando vencer para ir às oitavas, o Uruguai teve que tomar a iniciativa, já que a Azzurra jogava pelo empate. Mesmo com um a mais, o Uruguai não conseguia furar a retranca italiana. Era um jogo pegado e tenso. E foi aí que veio o lance que marcará a Copa do Mundo do Brasil. Parecendo agir por instinto, Suárez deu uma mordida no ombro de Chiellini. Algo tão aleatório e absurdo, que não há palavras para descrever tamanha burrice, irresponsabilidade e estupidez.

O juiz não viu, mas com tantas câmeras, era impossível que alguém não conseguisse filmar a mordida. Em questões de segundos, Suárez estragou tudo. Todo aquele esforço e toda aquela dedicação infelizmente ficarão em segundo plano. O mundo não lembrará do Suárez “guerreiro”. O mundo lembrará do Suárez “cachorro”.

Se das outras duas vezes ele não aprendeu a lição (sim, ele já havia sido punido por morder outros dois jogadores), agora terá que sofrer com as consequências, que, por ser reincidente, acabaram sendo mais duras: fora da Copa e banido por 4 meses do futebol. Punições mais do que justas, na minha opinião. Mas a FIFA não pode esquecer de punir outros jogadores, como Song por dá um murro em Mandzukic e Ekotto do Camarões pela cabeçada no seu companheiro de equipe.

Suárez não foi o único vilão da Copa, mas a sua agressão foi a que mais marcou. Se a Copa de 1950 é lembrada até hoje pelo “Maracanazo”, a “Mordida” eternizará a de 2014. Que pena!

POR FELIPE MELO

Um dos idealizadores do CartolaFC Mix. Soteropolitano, angolano, brasileiro. Louco por futebol e sempre de bom humor, afinal, um dia sem rir é um dia perdido. No cartola, comanda o Oloko Mito.